top of page

Conheça os processos de gestão em uma Home Care

Atualizado: 1 de ago. de 2023

Um dos setores mais “quentes” na área da saúde é a Atenção Domiciliar, que engloba serviços de cuidado e saúde na própria casa do paciente, desde procedimentos mais pontuais como troca de curativos e administração de medicações até plantão de cuidador e internações domiciliares. É um modelo de assistência que entrega mais economia e conforto para o paciente e seus familiares.


Apesar das vantagens, essa modalidade de cuidado é bastante desafiadora. Para as empresas da Atenção Domiciliar, é como se a casa de cada paciente fosse uma nova “filial”, além de suas sedes, pois é necessária a gestão de tudo o que foi contratado com cada cliente de forma individualizada: quais os procedimentos, medicamentos, avaliações de cada visita, quais os profissionais responsáveis e como o paciente está respondendo aos atendimentos.


Embora existam vários desafios, é possível gerenciar esse tipo de operação de forma eficiente e rentável com dedicação e controle sobre aspectos administrativos, assistenciais e operacionais. Neste primeiro texto no blog da LonVi vamos detalhar os principais pontos de atenção dentro de uma empresa de Atenção Domiciliar.


1. Captação do paciente

Esse é o processo pelo qual a empresa irá conseguir novos pacientes, que pode variar de acordo com o nicho de atuação. É fundamental que os gestores e gestoras dominem essa etapa de modo a garantir um fluxo constante e crescente de pacientes sendo atendidos. Os principais pontos de atenção nesse setor da Home Care são:

  • Como conseguir novos atendimentos?

  • Quais processos são necessários para se avaliar o paciente e realizar um orçamento adequado?

  • Qual é o portfolio de produtos e serviços da empresa?

2. Implantação

Essa etapa consiste em todas as ações necessárias para se iniciar o atendimento aos pacientes, desde o processo de alta hospitalar até o início do atendimento pelo time assistencial na casa do paciente, ou mesmo a inserção gradual de um time de cuidados na residência. As principais questões nessa fase são:

  • Como gerenciar os cadastros, orçamentos e contratos?

  • O que levar em conta na avaliação clínico-assistencial inicial?

  • Quais procedimentos são necessários de acordo com cada modelo de atendimento?

  • Quais os desafios de se coordenar os novos pacientes e famílias sendo atendidos?

  • Quais são as necessidades específicas do paciente e como posso atende-las?

3. Monitoramento e gestão dos atendimentos de home care

Um vez que a implantação foi concluída, a gestão precisa ter um bom controle sobre o que está sendo entregue de cuidado aos seus pacientes, se seus colaboradores estão realizando as tarefas programadas, se os pacientes estão respondendo bem aos cuidados ou se estão apresentando intercorrências e, ainda, coordenar a comunicação entre profissionais de saúde, família e paciente. Para isso, é necessário muita atenção nos seguintes pontos:

  • Quais informações são realmente relevantes em cada modelo de atendimento para cada paciente?

  • Como avaliar se os colaboradores estão realizando tudo que foi planejado e também avaliar a qualidade dessas tarefas?

  • Quais os protocolos para intercorrências ou situações não planejadas?

  • Como é feita a troca de plantão entre colaboradores?

  • Como são coordenadas todas as atividades em cada domicílio?

  • Como os dados são armazenados e reportados aos clientes?

4. Recrutamento e gestão dos colaboradores

Como em quaisquer outros segmentos, a chave para o sucesso é ter um excelente time na sua operação. Por isso, o recrutamento e a manutenção de bons colaboradores é fundamental para que todos os processos da empresa se sustentem e tenham bons resultados. Além disso, ter rotinas de gestão de pessoas bem definidas e construídas com base no perfil da equipe torna a coordenação da operação mais simples e eficiente. Assim, a gestão deve continuamente pensar acerca dos seguintes itens:

  • Como realizar a contratação dos melhores colaboradores?

  • Como estimular os colaboradores e mantê-los na minha operação?

  • Como qualificar os colaboradores continuamente?

  • Quais requisitos um profissional precisa para poder entregar o padrão de qualidade nos modelos de atendimento oferecidos pela empresa?

  • Como definir as escalas de um time com diversos profissionais diferentes de forma justa e equilibrada?

  • Como controlar a realização dos atendimentos e realizar o fechamento para cada colaborador de forma transparente?

5. Gestão de estoque e insumos

Além dos serviços, alguns pacientes irão demandar de medicamentos, materiais e até alguns equipamentos. Por isso, para um atendimento completo, a gestão de estoques é bastante importante, mesmo que a empresa não ofereça esses produtos. Ou seja, gerir as quantidades e o consumo desses recursos faz parte do cuidado do paciente, uma vez que a falta deles pode acarretar em desassistência ao paciente. Além disso, este processo pode representar uma linha de receita importante ao negócio. Por essa razão, alguns do pontos a serem levantados são:

  • Devo ter um estoque próprio ou criar parcerias com fornecedores locais?

  • Se for ter um estoque próprio, como gerenciar os lotes, validades e dispensações?

  • Como planejar a demanda de recursos nos diferentes modelos de atendimento?

  • Como controlar o estoque beira-leito dos pacientes?

6. Gestão financeira

Além de gerir a operação assistencial, é fundamental que as operações financeiras também sejam muito bem controladas. Afinal, toda empresa precisa manter as contas em dia e apresentar retorno aos seus sócios. Na atenção domiciliar, o fluxo de caixa das empresas pode ser realmente desafiador, com sistemas de pagamentos complexos e períodos longos. Por isso, é necessário se atentar aos seguintes itens:

  • Como realizar processos de fechamento de forma automatizada e que permitam ter pleno domínio sobre os custos da empresa?

  • Como gerenciar de forma eficiente os faturamentos e contas a pagar?

  • Quanto de capital de giro é necessário para que a operação seja sustentável e apresente baixo risco?

7. Gestão de resultados

Além de operacionalizar todos os processos descritos acima, é fundamental analisar os resultados de cada um deles. Por isso, é importante a definição de métricas e indicadores em cada etapa, de modo a saber qual caminho a empresa está seguindo e poder atuar para a melhoria de resultados pretendidos. Alguns resultados importante para a operação de uma empresa de Atenção Domiciliar são:

  • Quão satisfeitos estão os pacientes com os serviços prestados?

  • Quão eficiente são meus colaboradores? Quais são os mais produtivos?

  • Qual o volume de atendimentos que são realizados no mês pela empresa?

  • Quantas intercorrências ou imprevistos ocorrem mensalmente?

  • Qual o tempo médio de implantação de um paciente?

  • Quais os itens de estoque mais importantes?

Nos próximos conteúdos, vamos detalhar cada uma destas etapas com dicas para que você possa ter uma gestão eficiente da sua empresa de Home Care, mantendo a qualidade dos atendimentos enquanto aumenta a rentabilidade!


Acompanhe nossas redes sociais para saber quando lançamos os novos conteúdos e ficar por dentro das novidades da LonVi!


Um grande abraço,

Equipe LonVi

Comments


bottom of page